Número total de visualizações de página

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

DEUS HOJE


 
O MISTÉRIO DE DEUS HOJE

 

Deus criou-me sem mim, sem a minha colaboração,
 
mas não me pode salvar sem mim, sem a minha
 
colaboração.

Deus ama incondicionalmente, mas nem sequer
 
impõe o seu amor, não obriga a amá-l’O porque nos
 
criou livres e respeita totalmente a nossa liberdade.

Deus é dádiva de vida por amor.
 
Cristo assumiu o nosso sofrimento em vida dada por
 
amor.

Cristo atravessou a dor sofrendo por amor.
 
Debruçando-se, por amor, sobre os que sofrem.
 
O amor pode transfigurar a dor dos que sofrem.
 
Cristo atravessou a nossa humanidade,
 
atravessando-a por amor. Assim, nós temos de
 
reduzir a dor. Temos muitos meios para reduzir a
 
dor. Temos muitos meios, mas poucos fins.

Excesso de meios e míngua de fins.

A pessoa não é um meio, mas um fim.
 
É grande a dor e a solidão de quem é considerado
 
um meio e não um fim. A religião não pode ser um
 
meio de suavizar a dor.

Hoje as pessoas vivem o momento. Não projectam o
 
passado, o presente e o futuro. A vida de muita
 
gente é como uma tábua no meio do mar isolada de
 
tudo. Não se prende a nada nem a ninguém.

Carpe diem – Goza o momento: os divertimentos, o
 
álcool, a droga, o sexo, o futebol, a política, a
 
música.

Para muita gente não há passado (tradições), nem
 
presente, nem futuro. Tudo se vive num momento a
 
aproveitar ao máximo…

Ora o tempo é feito de passado, presente e futuro:
 
interpelação e responsabilidade.

Temos de intervir para vivermos de outra maneira.
 
Deus não é um meio, mas um fim. Recorrer a Deus
 
só na dor, nos sofrimentos, nas doenças, nas
 
desgraças, é olhá-l’O como um meio.
 
Muitos tiram Deus da cena e só se lembram d’Ele na
 
dor e nas desgraças.

Deus entra pela porta travessa nesse último
 
momento. Deus nunca se impõe e mesmo aí vem
 
responder à nossa angústia, aflição e problema.

Limite diferente de limiar, isto é: o fim e o começo.
 
Fronteira: acaba um país e começa outro.
 
A morte não é um limite, mas um limiar, uma
 
fronteira. Termina uma forma de vida e começa a
 
ressurreição.

Sem comentários: