Número total de visualizações de página

sábado, 28 de maio de 2011

DEUS HABITA-NOS (2)

.
O DEUS CONNOSCO

Deus está em toda a parte.
Está escondido nas igrejas, na Hóstia Consagrada dos Sacrários, na Sua Palavra, na pessoa do Sacerdote.
Mas Deus também nos acompanha sempre para onde quer que vamos, pois Deus mora em cada pessoa e, como a nossa própria sombra, acompanha-nos sem se poder separar de nós.
Deus vai connosco para a vida porque está dentro de nós e dentro dos outros.
Daqui se segue que Deus não devia ser Alguém a quem só se dá importância ao Sábado ou ao Domingo e dias santos quando se vai à Eucaristia; mas tem de ser o Deus de todos os momentos, o amigo do dia-a-dia, que anda sempre ao nosso lado para nos ajudar, proteger com a Sua sombra, nos dar forças nas dificuldades e nos levantar das nossas quedas.
Precisamos de nos aproximar de Deus para Lhe falarmos dos factos de cada dia, das coisas mais vulgares que nos acontecem e sem medo, porque enquanto isso não acontecer, não podemos sentir a alegria de O convidarmos a viver para sempre no nosso coração.
Não basta que Deus nos habite, que bata à nossa porta, que nos fale.
É preciso que cada um tome consciência dessa verdade, que Lhe abre a porta e O ouça.
Não basta que Deus nos ame, é preciso que cada crente se deixa amar por Ele.
É o mesmo que se passa com duas pessoas: não baste que uma goste da outra para haver amor entre ambas, é preciso que as duas se deixem amar uma pela outra.
Quantas vezes algumas pessoas vão à igreja e não se encontram com Deus, nem com Jesus Cristo, não lhe abrem a sua porta interior, não O escutam, ou só O escutam superficialmente, mas muitos ficam contentes porque cumprem uma lei, uma obrigação, um dever para com Deus: eu fui à missa (talvez por tradição, por rotina, por pressão familiar), mas sem uma adesão interior consciente e responsável.



quarta-feira, 25 de maio de 2011

DEUS HABITA-NOS (1)

.
DEUS HABITA-NOS
.
Cada pessoa devia tomar consciência da sua dignidade, do seu valor, por muitas razões, especialmente porque traz Deus em si mesmo.
Somos uma morada divina.
Esta crença católica não se limita aos católicos, pois todo o homem e toda a mulher são habitados por Deus, mesmo que não sejam cristãos, nem baptizados.
Cada Pessoa é uma imagem e semelhança de Deus independentemente da sua raça, cor, condição social, religião. Todos merecem o máximo respeito e todos deviam respeitar-se a si mesmos…
Se a nossa vida na terra fosse uma vida de união ao nosso Bom Deus e união aos nossos irmãos, ela seria o paraíso antecipado, a felicidade máxima, embora inferior ao futuro que nos espera na eternidade, uma vez que na terra há sempre contrariedades, dores, sofrimentos, desgraças.
Mas a nossa vida seria muito mais feliz e luminosa se interiorizássemos esta habitação, esta morada de Deus em nós.
Cada pessoa é uma casa onde Deus habita.
Deus devia ser para nós um ser pessoal (constituído por 3 pessoas Divinas: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo) e não apenas ideias.
Deus mora em nós, não como um inquilino ou hóspede, mas como o senhor da casa, o proprietário e Deus nunca nos deixa sós, está sempre aqui, no nosso íntimo e é aí um dos lugares onde devemos encontrar Deus e viver em comunhão com Ele na terra.
Se Deus está sempre connosco, nós deveríamos ser familiares na linguagem e no trato com Ele.
Devíamos ter à vontade e dialogar muitas vezes com o Senhor que nos habita.
O Homem de hoje sofre a solidão, o vazio, perdeu muitas vezes o rumo, o sentido da vida, não gosta do silêncio, não sabe estar só e procura sempre a companhia de alguém: podem ser pessoas que encontramos no café, na rua, nos mercados; pode ser a rádio, a TV, a internet, o telefone, o jornal…
São formas de comunicar com os outros para não nos sentirmos sós…
Deus está sempre connosco em qualquer parte, em qualquer lugar, por isso nunca estamos sós.
Para que Deus esteja presente a nós, é preciso atenção, consciência dessa presença silenciosa de Deus em mim e encontrar-me com o Deus vivo, seja numa igreja, seja em nós mesmos, seja na Bíblia, a Palavra de Deus.
O problema não está em Deus que é real, embora silencioso.
O problema está em mim que sou ruidoso, procuro o barulho, a agitação, o ruído e me esqueço dessa presença silenciosa de Deus.
(continua)

sexta-feira, 20 de maio de 2011

PORQUE SOU CRISTÃO? (3)

.
PORQUE SOU CRISTÃO? (3)
.
Uma das grandes falhas é que muitos católicos não se interrogam, não fazem perguntas, não reflectem acerca da sua vida e identidade cristã.
Por isso, faz bem a cada crente interrogar-se a si mesmo e fazer uma reflexão séria acerca da sua vida cristã:
.
“Quem é Deus para mim?
Que valor e importância tem Deus para mim?
Que ideia tenho eu de Deus?
Que significa ser baptizado na Igreja Católica?
Para que serve a minha fé no Deus de Jesus Cristo?
Porque é que eu rezo?
Porque é que eu vou à igreja praticar a religião?
Porque é que eu sou cristão?
.
Alguma vez já fiz da minha fé, um SIM, uma opção consciente e responsável por Jesus Cristo e pelo seu evangelho?
.
Sou cristão convicto, que procura ler, esclarecer e formar-se na fé cristã, ou limito-me a ser um cristão católico por rotina, por tradição? ”.
.
Por outras palavras: é preciso parar, fazer silêncio, meditar, pensar na minha forma de ser cristão católico.
.
Alguma vez, meu irmão e minha irmã, tu paraste para pensar nestas ou noutras perguntas semelhantes?
.
Alguma vez pensaste para ti mesmo(a): “porque é que eu sou cristão? Porque é que eu acredito em Deus, no Deus de Jesus Cristo?”.
.
Pensar pode ajudar a enraizar a verdadeira fé cristã, torná-la mais profunda, mais esclarecida.
.
Isso implica também ler livros de formação cristã, ler a Bíblia, ouvir homilias, reflexões, conferências, encontros de formação cristã, dialogar com pessoas que sabem um pouco mais do que nós, etc.
Sem um esclarecimento adequado as inteligências, não pode haver fé adulta, nem comportamento comandado por uma consciência e coerência cristã.
Importância da Palavra de Deus, da Oração e dos Sacramentos.
É a Palavra de Deus que converte e leva a viver uma vida de forma cristã.
Vemos muitos católicos cuja fé é ainda bastante infantil, ainda não atingiu a fé adulta, consciente, fé sólida, bem formada, comprometida, responsável, coerente no dia a dia.

 

JESUS CRISTO BOM PASTOR

.
Quarto Domingo da Páscoa, dia do Bom Pastor, dia Mundial de Oração pela Vocações consagradas.
Cristo é o Bom Pastor, mas precisa de outros, de pessoas disponíveis para anunciar o reino de Deus...
Deus precisa de Ti, meu caro jovem...
Já alguma vez pensaste nisso?
Já alguma vez pensaste que Deus precisa de ti.
Que podes fazer muito pelos outros?
Que uma vida cheia, grande, é aquela que é vivida em favor dos outros?
Não penses só em ti, de forma egoísta...
Numa vida pequenina, às  vezes vazia de sentido...
Pensa que há outros caminhos...
Deus chama pelo teu nome... Faz silêncio, escuta-O e pergunta ao Senhor:
"Que queres que eu faça da minha vida?
Qual será a vocação a que me chamas, Senhor Jesus?".
.
Tudo começa na família: a vida, a fé, a vocação.
.
Por isso, os pais são os primeiros responsáveis para surgir a vida, a fé e a vocação comsagrada...
.
Depois de fazer surgir estas realidades, os pais devem acompanhar os seus filhos no desenvolvimento da vida, da fé, da vocação. Até que um dia, os jovens caminhem por si mesmos na vida, na fé e na vocação.

sábado, 14 de maio de 2011

JESUS CRISTO BOM PASTOR

.
Domingo, 15 de Maio, dia do Bom Pastor, dia Mundial de Oração pela Vocações consagradas.
Cristo é o Bom Pastor, mas precisa de outros, de pessoas disponíveis para anunciar o reino de Deus...
Deus precisa de Ti, meu caro jovem...
Já alguma vez pensaste nisso?
Já alguma vez pensaste que Deus precisa de ti.
Que podes fazer muito pelos outros?
Que uma vida cheia, grande, é aquela que é vivida em favor dos outros?
Não penses só em ti, de forma egoísta...
Numa vida pequenina, às  vezes vazia de sentido...
Pensa que há outros caminhos...
Deus chama pelo teu nome... Faz silêncio, escuta-O e pergunta ao Senhor:
"Que queres que eu faça da minha vida?
Qual será a vocação a que me chamas, Senhor Jesus?".
Tudo começa na família: a vida, a fé, a vocação.
Por isso, os pais são os primeiros responsáveis para surgir a vida, a fé e a vocação consagrada...
Depois de fazer surgir estas realidades, os pais devem acompanhar os seus filhos no desenvolvimento da vida, da fé, da vocação. Até que um dia, os jovens caminhem por si mesmos na vida, na fé e na vocação.
Cristão que me lês, já pensaste alguma vez se Jesus Cristo é de verdade o teu Bom Pastor?
É Ele que te conduz?
É a Sua Palavra que escutas?
É a Sua doutrina que segues?
É a Sua lei (a lei do amor) que cumpres?
É a Sua vida que procuras imitar?
É a Sua Vontade que procuras fazer?
É a Cristo que procuras agradar?
É a Ele que amas, esperas e acreditas?
Fazes silêncio para falares com Cristo e estares na intimidade com Ele?
Dás tempo a Deus no teu dia e rezas com Ele como quem fala com um amigo?
Pára e pensa, meu amigo, minha amiga.
Deus conta contigo, Deus precisa de Ti e tu precisas de Deus.
O futuro dos filhos depende, em grande parte, das mães.
São as mães que orientam, muitas vezes, os seus filhos, vocacionalmente.
São as mães que podem e devem falar aos filhos da vida consagrada masculina ou feminina.

domingo, 8 de maio de 2011

SEMANA DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES CONSAGRADAS

albanosousanogueira@sapo.pt
http://operfumededeus.blogspot.com
.
Começa hoje, 8 de Maio a 48ª semana de oração pelas Vocações consagradas.
Tudo começa na família: a vida, a fé, a vocação.
Todos os cristãos católicos são responsáveis pela promoção da vida consagrada, diz o Papa Bento XVI: bispos, sacerdotes, famílias, catequistas, animadores, etc.
Aos jovens que me lêm eu pergunto:
Jovem que vais fazer da tua vida?
Como vais gastar a tua vida?
Alguma vez pensaste em fazer uma experiência num seminário (para os rapazes), num convento feminino (para as meninas)?
Jovem PENSA EM TI.
E PENSA NOS OUTROS QUE PRECISAM DE TI.
Estamos num tempo em que as pessoas NÃO PENSAM.
Vivem entretidas com novelas, futebol, notícias, cinema, tv, internet, computadores, jogos, discotecas, modas, etc.
"Maria vai com as outras...
Onde vai Vicente, vai a gente...".
Poucos pensam na vida.
Jovem, faz a ti mesma esta pergunta:
"Para que serve a minha vida?
Qual o sentido da minha vida?
Senhor, que queres de mim?
Senhor, que queres que eu faça?".
.
Deus conta contigo.
Cristo conta contigo.
Os ouros precisam de ti.
Não programes a tua vida a pensar só em ti...
Pensa no bem que podes fazer aos outros.
A vida grande é aquela em que a pessoa faz muito pelos outros.
Quem só pensa em si, tem uma vida muito mesquinha, muito pequenina.
Jovem, pensa no teu futuro, pensando nos outros.
Quem vive para os outros é mais feliz do quem só vive para si de forma egoísta.
O egoísmo não faz feliz ninguém...
Rezemos todos para que Deus dê à sua Igreja muitas vocações consagradas: masculinas e femininas.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

PORQUE SOU CRISTÃO? (2)


A PRÁTICA RELIGIOSA CRISTÃ
.
Muitas assembleias católicas ao Domingo, parecem, tantas vezes, autênticos funerais, onde só existe tristeza e sofrimento; sem alegria, sem vida, com pouca participação, gente que não responde, não canta, não vibra com o que se está a celebrar.
.
A mudança tem de ser feita por cada um, por cada crente.
Ele tem de saber que ir a uma reunião, ir à igreja, participar na Eucaristia é estar com Deus, com Jesus Cristo, com o Espírito Santo; entrar nessa intimidade de amor com as pessoas divinas e deixar que Deus na minha intimidade e estabelecer com Deus uma amizade que ilumina, orienta e dá sentido á minha vida.
.
Tudo isso não apenas numa relação pessoal com Deus, mas alargada à comunhão dos irmãos da mesma fé que se reúnem na mesma igreja.
.
Eu subo até Deus, Deus desce até mim e dá-se um encontro de amigos e de irmãos, encontro que é fonte de alegria de viver e força para a vida.
.
Esta deveria ser a mentalidade dos católicos: perceber que ir à igreja é ir rezar, entrar em comunhão de vida com Deus e com todos os outros que na mesma hora se vão reunir em comunidade.
.
Para que isto aconteça tem de haver uma amizade com Deus, uma fé pessoal e profunda na pessoa; uma consciência da riqueza de Deus e do seu valor para mim e para a minha vida.
.
Isso implica que cada crente se interrogue e faça uma reflexão séria acerca da sua vida cristã.
(continua).