Número total de visualizações de página

sexta-feira, 29 de julho de 2011

CONFERÊNCIA NACIONAL ALPHA

CURSOS ALPHA

(LÊ-SE ALFA, primeira letra do alfabeto grego)

Já tinha ouvido falar destes cursos Alpha, mas um dia destes, chegou-me à mão o jornal ALPHA NEWS, publicado pelo secretariado Alpha Portugal, onde vi que o director é o meu amigo Padre Jorge Santos que conheço há mais de 30 anos, ainda éramos seminaristas os dois.

Depois disto, comecei a contactar o Pe Jorge de Coimbra.

Informo que vai haver uma Conferência Nacional ALPHA em Cantanhede, perto de Coimbra, de 21 a 23 de Outubro.
Com a presença de dois bispos portugueses (de Coimbra e de Santarém).

O dia 21 é só para padres. Eu farei tudo para estar presente na sexta e talvez no sábado.

O dia 22 e 23 é para padres e leigos.

Trata-se de uma nova forma de evangelizar no sentido de transformar a vida de pessoas, católicos praticantes ou não praticantes e de encontrar em Cristo um novo sentido para a vida.

É um convite a novas amizades e ao fim do isolamento, coisa frequente nas grandes cidades.
O curso alpha é um primeiro anúncio do evangelho de Jesus Cristo e um caminho para a nova evangelização.

Para mais informações aqui vão os dois sites:


Eu vou-me informar mais junto do Pe. Jorge Santos de Coimbra e darei mais informções.

Trata-se de gente católica, com o apoio de vários bispos portugueses nas dioceses onde já existem estes cursos como podem verificar no site.

De qualquer forma, se houver pessoas interessadas em ir a esta conferência nacional ALPHA, têm de se inscrever a tempo e horas, uma vez que o número é limitado. E podem contactar comigo ou com o site do ALPHA:

Paróquia São João Baptista

Rua Quinta da Portela

Lote 5.2

3030-481 Coimbra

Telemóvel: 917253432

Telefone: 239405706

E-Mail:

Geral: contacto@alphaportugal.com

Director do Secretariado Nacional: p.jorgessantos@gmail.com

Recursos: contacto@alphaportugal.com

domingo, 24 de julho de 2011

SÓ DEUS BASTA...3

Tirado de : Só Deus Basta, (Slawomir Biela, ed. Paulus)

3- Onde está o teu tesouro, aí está também o teu coração.
Toda e qualquer coisa pode tronar-se para nós um ídolo que adoramos e servir-nos de apoio.
Pode ser a casa, um negócio, a empresa, a escola, o trabalho, o emprego.

Se há alguma coisa, assunto ou pessoa que absorva a nossa atenção a ponto de encobrir Deus e a sua vontade; se isso se torna num apoio e num fim em si mesmo por que tudo lhe sujeitamos, então estamos a pôr o nosso coração em qualquer coisa material: em algo, em alguma pessoa e não em Deus.

4- Para que servem as coisas deste mundo?
Deus Pai criou o mundo a fim de que o usemos para a Sua maior glória.
Deus quer que usemos as coisas deste mundo para nossa santificação.
Que saibamos tratar as coisas como coisas, como meios, como instrumentos para nos aproximarmos de Deus.
As coisas são um meio e não um fim em si mesmas.

Devemos usufruir as coisas deste mundo de forma correcta, de acordo com os planos de Deus: a casa, o carro, o dinheiro, o emprego, os bens materiais como meios que Deus nos dá para nos apoiarmos e unir-nos a Ele.

Se o coração do homem está com Deus e se une à Sua vontade sabemos usar os bens deste mundo de forma correcta.
Sem o coração centrado em Deus a pessoa corre o risco de tratar as coisas como pessoas e as pessoas como coisas.

5- Deus opõe-se à nossa idolatria
Se temos um apoio exagerado nas coisas, elas tornam-se ídolos para nós.
Com o coração e a alma cheios, a transbordar de coisas, de assuntos, ocupações e preocupações, não podemos receber o Hóspede Divino, o Divino Espírito Santo.
É como se convidássemos alguém a entrar numa sala toda cheia e obstruída de móveis e ainda nos surpreendêssemos por essa pessoa não entrar.

Quando nos apoiamos demais nas coisas fazemos delas os nossos ídolos, cometemos o pecado da idolatria.
Só esvaziando um pouco o nosso coração, a nossa alma é que poderá haver lugar para Deus através do silêncio, do sossego, da oração.

O nosso coração foi criado para Deus e só terá paz, sossego, felicidade quando repousar em Deus, quando estiver cheio de Deus.

Somos trabalhadores contratados pelo Senhor para trabalhar na sua vinha.
O mundo visto com fé é a vinha do Senhor.
Deus é quem nos dará a recompensa.
Isso implica trabalho, esforço, colaboração.
Aos ociosos, preguiçosos, aos que nada fizerem para o mundo seja melhor, Deus os rejeita por serem inúteis.

É importante perceber que neste trabalho pelo Reino de Deus e pela nossa santificação, o mais importante é agradar a Deus e não agradar às pessoas.

Para agradarmos a Deus não podemos viver só para o "ter". Ter dinheiro, ter coisas, ter bens, ter importância, ter poder, ter fama, ter honras.
Hoje muita gente é escrava do "ter".

Para agradarmos a Deus devemos preocupar-nos em "ser".
Ser para Cristo, ser de Deus: ser rectos, ser justos, ser honestos, ser leais, ser amigos, ser solidários, ser bondosos.

Tudo pode ser aproveitado para aprofundarmos a nossa ligação a Deus, a nossa comunhão com Ele: seja o trabalho, seja o descanso.
Até o mal o pecado que cometemos, vemos TV e ouvimos, se amamos a Deus pode servir para rezarmos e suplicarmos a misericórdia do Senhor para o mundo e para nós.

terça-feira, 19 de julho de 2011

SÓ DEUS BASTA...2

Tirado do livro- "SÓ DEUS BASTA"
(Slawomir Biela, ed. Paulus)

-
As realidades enganadoras
Enquanto tudo corre bem, nós vivemos iludidos pensando que tudo se deve a nós, às nossas capacidades.
Pensamos que tudo é mérito nosso.

Quando surgem os problemas: doenças, fracassos, morte de pessoas queridas, crises económicas, vem o desânimo porque tudo parece desmoronar-se.
Porém quanto maior fôr a derrocada e as coisas se desmoronarem, mais nos preparamos para mudarmos a nossa forma de ver o mundo e de começarmos a olhar tudo pelos olhos da fé.
Nestas situações Deus quer mostrar-nos que é com Ele sobretudo que devemos contar, sem desistirmos do nosso esforço naquilo que depende de nós.

O essencial é aprender a interpretar todas as coisas à luz da fé, vendo as crises da vida não como dificuldades da vida, mas como incentivos que torna mais fácil o lançarmo-nos nos braços de Cristo e nos impelem a pedir-lhe ajuda.

A partir daí, o Senhor tem campo livre para intervir, derramando as suas graças das quais brotará o bem que, sem aqueleas experiências dolorosas, nunca teria podido ocorrer.

As crises, problemas, contrariedades da vida abrem-nos ainda mais à fé e permitem perceber que tudo é dom gratuito de Deus, milagre da Sua grande misericórdia e não obtido por mérito nosso.

No nosso trabalho profissional, quanto menos contarmos connosco próprios, tanto maior é para Deus a oportunidade de intervir na nossa vida, a possibilidade de Ele fazer o que quer servindo-se nas nossas mãos.

1- Para a própria glória
Êxitos, saúde, sucessos, tudo julgamos como mérito nosso. Porém, tudo isso é dom de Deus e devíamos estar-lhe imensamente gratos e usar isso para a glória de Deus.
O erro está em que quando temos saúde, sucessos, êxitos vivemos a satisfazer a nossa vontade como se fôssemos deuses, como se a nossa vida viesse a prolongar-se indefenidamente.

Acontece que um dia acaba a boa condição física, diminui a saúde.
Só aí percebemos o quanto desperdiçámos a vida sem procurar a glória de Deus, mas a nossa glória.

2- Perder ou acumular; desprender-se ou enriquecer?

Se quisermos seguir Jesus temos de aprender a desapegar-nos das coisas e das pessoas em que nos apoiamos para nos apoiarmos em Jesus Cristo.

Não se trata de renunciar a tudo, deixar tudo e viver sem nada, pois não o conseguíamos.
Trata-se de aceitar perder continuamente.

Perder os apoios não é algo que se faz de repente, pode demorar toda a vida até à morte.
É precisa muita paciência, perseverança, longanimidade (grandeza de alma): compreensão, tolerância, capacidade de perdão, saber esperar, não desanimar mesmo que os frutos do esforço não sejam visíveis.

Saber cada dia desprender-se de alguma coisa ainda que seja de pouca importância: renunciar à TV, telemóvel, rádio, passeio, comida, bebidas, internet, computador.
Desprender-se significa não ser escravo, não ser dependente das coisas, dominarmos as coisas e não sermos dominados por elas.
NOTA: Hoje vi um adolescente a jogar voleibol segurando um telemovel numa mão. O voleibol tem de ser jogado com as duas mãos, mas se uma está ocupada a segurar no telemóvel... como se pode jogar? Isto revela a dependência (escravidão das coisas...).

É a falta de fé que nos leva a procurar apoios fora de Deus, nas diversas coisas deste mundo.
(continua)

terça-feira, 12 de julho de 2011

SÓ DEUS BASTA...

Tirado do livro- "SÓ DEUS BASTA"

(Slawomir Biela, ed. Paulus)

"Nada te perturbe.
Nada te espante.
Tudo passa.
Deus não muda.
A paciência tudo alcança.
Quem a Deus tem nada lhe falta: só Deus basta".
S.ta Teresa do Menino Jesus.
Toda a história da salvação é um convite constante a que os homens aprendam a olhar o Criador como o seu "rochedo da salvação", o seu guia , o seu pastor.
Imagem da criancinha que se entrega, sem a menor reserva, nos braços do pai ou da mãe.

Quem medita nos ensinamentos da Sagrada Escritura, sente o coração encher-se de sol, o sol da esperança que o leva a ter uma confiança radical em Deus revelado por J.Cristo.

Deus é fiel, mas nós somos fracos, inconstantes, egoístas, pecadores.
Por isso, se torna tão difícil aceitar que só Deus basta.

Há muitos obstáculos enganadores que podem estar nas coisas, nos acontecimentos, nas qualidades e defeitos próprios, nas pessoas.

Apesar de tudo, também há meios de purificação.
Se deixarmos o Espírito Santo trabalhar a nossa alma e sentir Deus como "único apoio", tudo pode ser visto de maneira diferente, com um novo sentido.
O mistério de Deus Pai que enviou o Seu Filho Jesus Cristo para nos salvar e nos deu o E.Santo como mestre interior, purificador, santificador, passa a ser o rochedo (alicerce) seguro, inabalável da nossa confiança.

I- A realidade dos apoios enganadores

Em que coisas ou em que pessoas pões a tua confiança?
Com quê ou com quem verdadeiramente contas?

Todos procuramos apoios.
Precisamos deles.
A falta de apoios provoca sensação de medo, insegurança, ameaças, perigos.
A necessidade de segurança é algo de muito essencial à pessoa humana.

Assim, pomos a nossa segurança e apoio no dinheiro, nas coisas, nas poupanças, nos êxitos profissionais, nos outros, na nossa saúde, na nossa sabedoria e cultura, no nosso poder.

Nós precisamos de dinheiro, de coisas, de pessoas, mas eles não são tudo, podem até trazer-nos muitas feridas, decepções, ilusões e desilusões e podem até dificultar a nossa união com Deus.
O sentido e o valor da nossa vida não pode estar SÓ no dinheiro, SÓ nas coisas, SÓ nas pessoas, nem sequer SÓ em nós mesmos.

A pessoa inquieta e ávida de sonhos procura apoios em coisas concretas, visíveis, materiais.
Tudo pertence a Deus e só à luz da fé somos capazes de perceber que o dinheiro, as coisas criadas, as leis da economia, a nossa saúde, as nossas capacidades são dons que devem ser utilizados de acordo com os desígnios de Deus.
(continua)

terça-feira, 5 de julho de 2011

MENSAGENS COM ESPERANÇA (1)


SABER O LHAR COM OLHOS NOVOS

Quando olhamos para o mundo e a realidade à nossa volta, facilmente nos apercebemos de pessoas que sofrem, andam tristes, revoltadas, infelizes.
E muitas dessas pessoas perderam completamente o gosto pela vida, perderam a esperança.
Vivem mergulhados em comprimidos, calmantes, droga, álcool, sexo.
Outras pessoas tentam até o suicido como maneira de fugir à dura realidade que é a sua vida.

Perante isto, os cristãos têm cada vez maiores responsabilidades, para restituir a alegria, o dinamismo, a fé, e a esperança aos que perderam o sorriso e a alegria ao longo do caminho, que só vêem trevas, noite, escuridão à sua volta.
O mundo vive numa transformação que afecta diariamente a vida das pessoas.
É como uma roda gigante que vai triturando e esmagando as pessoas.
Por um lado, o progresso trouxe mais conforto, maior abundância de bens, maiores comodidades; por outro lado, trouxe mais competição, mais concorrência, mais exigências, mais necessidades, mais vícios, mais escravidão, mais lutas e rivalidades.

Vive-se, muitas vezes, num mundo desajustado, em constante correrias para o trabalho, para casa, perdeu-se a simplicidade.

Deixou de haver lugar para a oração, o silêncio, a contemplação.

Os valores cristãos e evangélicos deixaram de ser aceites e já poucos acreditam nas propostas de Jesus Cristo para alcançar a felicidade.

As pessoas beberam noutras águas para tentarem matar a sede de paz, de alegria, de felicidade.
Beberam nas águas do dinheiro, do gozo, do prazer, do divertimento, da libertinagem, da droga, da violência, do sexo, do jogo.
Mas essas águas estavam estagnadas, estragadas, cheias de lixo e envenenadas.
Não mataram a sede.
Pelo contrário, sentiram mais sede.
Continuaram inquietos, tristes, infelizes, a morrer aos bocados, pois o vazio interior não foi preenchido.

Muitos continuam a beber dessas águas e vão perdendo cada vez mais a esperança, vivendo cada vez mais amargurados.

O mundo prometeu-lhes a felicidade se tivessem muitos bens, se gozassem todos os prazeres.
E muitos acreditaram.
Quiseram experimentar e descobriram que foram enganados, iludidos e a esperança foi desaparecendo das suas vidas.

Jesus Cristo é a água viva, pura, límpida que sacia a tua sede de paz, alegria, amizade, felicidade.

Abre os teus olhos, os teus ouvidos, a tua mente, toda a tua pessoa à luz de Jesus Cristo e a tua vida será iluminada e em ti brilhará a luz de Deus.
MEU IRMÃO, MINHA IRMÃ, PROCURA TER UM RELACIONAMENTO PESSOAL COM JESUS CRISTO, COM DEUS PAI, COM O ESPÍRITO SANTO.

ENCHE-TE DE DEUS E A TUA VIDA SERÁ UMA VIDA NOVA...