Número total de visualizações de página

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

FELIZ ANO NOVO 2010



FELIZ ANO DE 2010

AOS MEUS AMIGOS(AS) E LEITORES(AS)
DESEJO UM FELIZ ANO NOVO DE 2010
--
NÃO SE ESQUEÇA QUE A FELICIDADE DEPENDE
MAIS DE TI DO QUE DOS OUTROS
--
NÃO ESPERES QUE SEJAM OS OUTROS
A TORNAREM A TUA VIDA MELHOR
ELA DEPENDE SOBRETUDO DE TI
A FELICIDADE MAIOR NÃO ESTÁ FORA DE NÓS,
MAS DENTRO DE NÓS MESMOS.
--
NÃO CRITIQUES OS OUTROS SE A TUA VIDA NÃO CORRE TÃO BEM COMO GOSTARIAS
FAZ TUDO O QUE DEPENDE DE TI.
--
1-CONFIA EM TI MESMO.
ACREDITA EM TI MESMO
PORQUE DEUS TAMBÉM ACREDITA EM TU MESMO
--
2- CONFIA NOS OUTROS,
EMBORA COM CUIDADO PARA NÃO SERES ENGANADO
--
3- CONFIA EM DEUS
--
VIVA A VIDA.
NÃO TE DEIXES ARRASTAR PELA VIDA
PROCURA TU CONDUZIRES A TUA VIDA
SEGUNDO A VONTADE DE DEUS
FAZENDO O BEM E EVITANDO O MAL
BENDITO SEJA DEUS QUE NOS DÁ O DOM DA VIDA

Um forte abraço meu irmão

Pe. Albano Nogueira

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

CONTO DE NATAL




Enquanto espero pela Ceia de Natal, decidi, escrever este conto de Natal que li alguma vez, há algum tempo…

“Há muito, muito tempo, um casal ainda jovem, morava na floresta.
Ele era cortador de lenha e ela era doméstica.
Não tinham filhos e eram muito pobres. Tão pobres, que o marido metia o seu cachimbo vazio na boca sem tabaco e a esposa nem sequer tinha um pente para se pentear.
Certo ano, estando próximo o Natal cada um começou a pensar numa prenda a dar ao outro.
A esposa, como não tinha pente para se pentear, decidiu cortar as suas tranças e comprar tabaco para o cachimbo vazio do seu marido.
O marido, por sua vez, como não tinha tabaco, decidiu vender o cachimbo para comprar um pente para a sua esposa pentear o seu longo cabelo comprido.
Nenhum sabia nada da intenção do outro.
Na noite de Natal, cada um trouxe o seu presente embrulhado.
A esposa disse:
- Tenho um presente para ti.
O marido respondeu:
- É muito engraçado. Eu também tenho um presente para ti.
A esposa disse:
- Vendi as minhas tranças do cabelo para te comprar tabaco para o teu cachimbo. Aqui tens um pacote de tabaco.
O marido um pouco desolado exclamou:
- Muito azar o nosso. Eu vendi o meu cachimbo para te comprar um pente para te penteares e agora nem tu tens tranças, nem eu tenho cachimbo…
Os dois abraçaram-se muito longamente soltando cada qual uma lágrima de felicidade e ficaram muito felizes porque cada um, por amor, tinha sacrificado o que de melhor tinha para dar um presente ao outro.
Cada um guardou o presente do outro porque veio o dia em que o cabelo cresceu e a esposa pôde usar o pente que o marido lhe dera e o marido, ganhou dinheiro e comprou um novo cachimbo para dar umas fumaradas, de vez em quando…”.
E assim viveram felizes para sempre…

Esta história de Natal ensina-nos que quem ama faz coisas lindas como esta: esquece-se de si, sacrifica o que de melhor tem para fazer feliz o outro.
Deus Pai deu-nos o que melhor tinha para nos fazer felizes: deu-nos o Seu Filho Jesus Cristo e este sacrificou o que de melhor tinha – a sua vida – para nos salvar, nos dar vida e vida abundante.
Aprende, meu irmão, minha irmã, esta lição do Natal:
- AMAR É FAZER FELIZES OS OUTROS.

Pe. Albano Nogueira

SEJA UM PRESENTE PARA OS OUTROS




Meu irmão, minha irmã.
Neste Natal de 2009, pense que mais importante do que dar presentes, é
VOCÊ SER UM BOM PRESENTE de Deus para os outros.
Tal como Jesus Cristo é um presente de Deus para nós, assim cada um de nós deve ser um presente para os outros.
NATAL é acolher Jesus como o maior presente que Deus tinha para nos dar.

O marido deveria ser um bom presente para a esposa.
A esposa deveria ser um bom presente para o marido.
Os pais deveriam ser um bom presente para os filhos.
Que os filhos sejam um bom presente para os pais.
Que todos sejamos bons presentes para os outros.
Faça um exame de consciência e veja de está a ser uma prenda, um presente, uma bênção de Deus para a sua família, para a Igreja, para a sociedade...
Se não é, procure ser.
Você será mais feliz e fará mais felizes os outros.
Se isto acontecer é sinal que somos bons uns para os outros, os amamos, os aceitamos, os ajudamos, os compreendemos, os servimos...

Procure que a sua presença seja um bem para os outros e que todos da sua presença, sinal de que é alguém muito positivo, muito amigo, compreensivo, bom...
Problema é quando não somos presentes para os outros
e somos FARDO, PESO, CRUZ...

Não te esqueças:

NÃO FAÇAS AOS OUTROS O QUE NÃO QUERES QUE TE FAÇAM A TI...

FAZ AOS OUTROS O QUE GOSTARIAS QUE TE FIZESSEM A TI.


UM SANTO E FELIZ NATAL DE 2009 E UMA FELIZ ANO DE 2010.

E não te esqueças que a tua felicidade depende mais da bondade que há em ti do que das coisas e dos outros...

Pe. Albano de Sousa Nogueira

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

OS MEUS VOTOS





UM SANTO E FELIZ NATAL DE JESUS NASCIDO HÁ 2009 ANOS...

PARA TODOS OS QUE ME COSTUMAM LER

E COMUNICAR COMIGO

NOS MEUS BLOGUES

----------------------------------------------

UM FELIZ ANO DE 2010

-----------------------------------------------
UM GRANDE ABRAÇO
MUITA PAZ, ALEGRIA, ESPERANÇA
E AMOR PARA TODOS

SÃO OS MEUS VOTOS:
PADRE ALBANO SOUSA NOGUEIRA

sábado, 19 de dezembro de 2009

ENTRA EM TI, FAZ SILÊNCIO, ADORA



Meu irmão, minha irmã,
Estamos às portas do natal.
Lembra-te que Jesus nasceu no silêncio de uma gruta, um palheiro na presença de Maria e de José.
Por isso, Natal CRISTÃO A SÉRIO implica silêncio, meditação, oração, contemplação.
- Não deixes que o Natal Pagão, te roube o verdadeiro significado do Natal cristão: recordar o nascimento de Jesus Cristo.
- Não te deixes enredar nas correrias loucas desta sociedade materialista nestes dias;
- Não te deixes sufocar pelo desperdício de compras, de presentes, de comidas, de bebidas, esquecendo que o melhor não custa dinheiro.
O amor não custa dinheiro.
Um sorriso não custa dinheiro.
Um abraço não custa dinheiro
Um beijo não custa dinheiro.
Faz silêncio, meu irmão, minha irmã.
Habitua-te a pensar, a esperar, a meditar, a fazer silêncio, a orar, a adorar.
Entra no teu quarto, fecha os olhos, respira fundo, faz silêncio absoluto e tenta encontrar Deus aí dentro de ti mesmo e fala com Ele.
Deus mora fora de ti, mas também dentro de ti. Fala com esse Deus de Vida, de Amor.
Fala a teu Pai do Céu da tua vida, fala do teu amor, ou da falta dele.
Fala a Deus Pai e a Jesus acerca dos teus planos e dos planos de Deus sobre ti.
Uma vida cristã bem acertada deveria levar a que os teus planos para a tua vida futura deviam ser rezados para coincidirem com os planos de Deus sobre ti.
Meu irmão, minha irmã, aprende o essencial da vida: AMAR.
A vocação do homem e da mulher é ser imagem e semelhança de Deus e Deus é Amor. Por isso, a vocação do homem e da mulher é AMAR.
Falo de AMOR- ÁGAPE, CARIDADE, NÃO FALO DE SEXO…
Que amas tu, meu irmão, minha irmã?
Quem amas tu, meu irmão, minha irmã?
Amas as coisas materiais, os bens deste mundo?
Amas as pessoas, todas as pessoas?
Amas-te a ti mesmo?
Amas a Deus que te criou, te sustenta, te ama e te dá todos os dons que tens?
PÁRA, PENSA, MEDITA, CONTEMPLA, ORA, ADORA…
QUE AMAS TU?… … … QUEM AMAS TU?... … …

Um santo e feliz natal são os votos deste vosso amigo Pe. Albano Nogueira

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

COMO ESTÁS A PREPARAR O TEU NATAL?





COMO ESTÁS A PREPARAR O TEU NATAL?
A QUE DÁS MESMO IMPORTÂNCIA?
À DIMENSÃO INTERIOR DO NATAL OU APENAS AO EXTERIOR:
- COMPRAS, PRESENTES, ROUPAS, COMIDAS,
PINHEIROS, LUZES, PRESÉPIO?
- O EXTERIOR SEM O INTERIOR VALE MUITO POUCO.
Pensa numa pessoa muito bonita por fora, mas com um cancro.
O exterior pouco vale, se o interior está estragado.
Não te contentes com um Natal pagão simplesmente de comidas, bebidas, presentes, luzes, árvores enfeitadas...
O exterior vale se for acompanhado pela dimensão afectiva, amiga, carinhosa e solidária do Natal.
A dimensão interior do Natal é também a fé no verdadeiro Deus revelado em Jesus Cristo, o Filho de Deus.
Uma fé que implica compromisso com esse Deus que se dá a conhecer.
Natal Cristão é acolher Jesus Cristo, o Salvador do mundo.
Peço-te que, na tua casa, neste Natal, haja menos presentes, mas mais carinho, mais ternura, mais diálogo, mais ajuda mútua, mais compreensão, MAIS AMOR…
Que haja fé, um lugar para Deus, oração, confiança.
Que o ANIVERSARIANTE (Jesus Cristo) seja convidado para a festa da noite de Natal.
Se o fizeres garanto-te que serás muito mais feliz e farás felizes os outros…
NATAL É ACOLHER JESUS CRISTO.
Natal é a Vida que nasce no Deus Menino e isso aconteceu a primeira vez há 2009 anos.
Natal é Paz, Vida, Verdade, Justiça, Solidariedade, Amor.
UM SANTO E FELIZ NATAL

Pe. Albano Nogueira

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

4. REENCONTRAR DEUS, ESSE DESCONHECIDO





Deus Criador

Eis a primeira verdade a que é preciso chegar: Deus Criador. Quando dizemos Criador, não se entende como algo do passado, num determinado momento e que Deus tenha abandonado o mundo á sua existência e se tenha desinteressado por ele.
Neste caso seria como o Relojoeiro que faz o relógio, vende e não mais se interessa por ele.
A Criação é um processo e não apenas um momento.
A Criação continua, por que o Ser necessário faz existir a cada instante, tudo o que não tem em si a razão de ser.
(Tal como criar um filho não é um instante, mas um processo de muitos anos…).
Eu existo, neste momento, porque Deus me cria, me dá a existência, me sustenta a mim e a tudo aquilo que me rodeia.
“Eu sou Aquele que sou, Tu és aquele que não és…”
Mas nós não somos fantoches nas mãos de Deus.
Deus deu à sua criação uma existência coerente, permanente, autónoma, livre.
Nós não somos escravos.
Deus não tinha necessidade de escravos.
Ele não tinha necessidade de criar.
O Seu desígnio é a generosidade, é a comunicação da Sua bondade, do Seu próprio Amor, a parceiros criados à Sua imagem.
Deus criou criaturas inteligentes e livres, senhores da sua existência, com poder para gerar outros humanos, outras criaturas.
Deus não se fecha em si mesmo.
Ele é comunicação, efusão.
Mas porque é que Deus cria seres livres, rivais, algo perigoso para o homem e para Deus?
Perigoso para o homem que pode perder-se por meio dessa liberdade e perigoso para Deus pois o homem que Ele criou pode ignorá-l’O, negligenciá-l’O, degradar a Sua criação e até erguer-se contra Ele, blasfemá-l’O, desafiá-l’O, odiá-l’O.
O homem com a sua liberdade pode tornar-se Deus de si próprio e o ídolo dos outros. Como tolera Deus esse mal com o qual caminhamos lado a lado?
Eis-nos no centro do mistério.
Deus criou o homem livre, porque Ele cria por amor e para o amor.
Só o homem livre é capaz de amar.
Se Deus criasse robots não seriam capazes de amar.
Sem liberdade seriam capazes de prazer, mas não capazes de amar, pois não há amor sem uma certa autonomia e um dom de si mesmo.
Deus correu o risco de criar a liberdade.
É o risco do amor. É o risco de Deus, é o nosso risco.
Devemos tomar consciência do nosso risco.
Deus concedeu-nos a escolha e deveríamos fazer uma boa escolha: escolher Deus = Amor.
Se nos crispamos egoisticamente sobre a nossa existência, para vivermos sem Deus, destruir-nos-emos a nós próprios: cortamos a raiz gratificante da nossa existência.
Se aceitarmos Deus Criador, então a nossa existência encontrará o seu sentido e irá de plenitude em plenitude.

Pe. Albano Nogueira

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

3. BUSCA DE SENTIDO PARA A VIDA



albanosousanogueira@sapo.pt


http://operfumededeus.blogspot.com/



O imaginário humano postula (requer, necessita) a vida eterna e o Amor na origem e no termo de todas as coisas, pois, Deus inscreveu em nós a Sua sede.


Essa polarização (atracção) ultrapassa-nos, ela não tem sentido senão em Deus.
A inteligência metafísica pode conhecer um certo tipo de conceito de Deus.
Existe o ser e o SER. O ser humano e o SER DIVINO.
Através da via humilde e real do realismo, pela sua inteligência, o homem pode reencontrar Deus, não para O “ver”, mas como a Necessidade primeira; como a Origem dinâmica e termo da viagem: Aquele que dá um sentido harmonioso a tudo o que existe.
Sim, alguma existe, há a existência e que maravilhosa que ela é.

A existência vem de longe, ela dá testemunho de um absoluto da EXISTÊNCIA a que se chama Deus.
O universo narra as maravilhas de Deus, diz a Bíblia.

Isto é bem verdadeiro. A criação reflecte a luz original do Criador.

O homem inteligente pode chegar à evidência da existência de um Criador. Se não tem fé, chama-lhe "Acaso..." ou outros nomes.


Porém, esta dimensão torna-se muito difícil no meio cultural em que vivemos, afirmar a existência dum criador, quando a ciência quer explicar tudo naturalmente.

A razão humana, orgulhosa e pretensiosa faz cada vez mais gala do seu agnosticismo e ateísmo.
A razão pode conhecer o Criador, mas as forças do homem pecador são medíocres e voam muito baixo e os filósofos só chegam a Deus muito imperfeitamente.
Foi necessária a Revelação para tomar consciência disso.

A Revelação é a iniciativa divina que nos vem dizer quem é Deus.

Revelação que Deus fez na Criação e Revelação que Deus fez na História Humana, especialmente na História da Salvação narrada na Bíblia.

História da Salvação que começa com Abraão séc XVIII a.C. e torna-se revelação plena na Encarnação do Verbo, o Filho de Deus que se torna carne na pessoa de Jesus de Nazaré e revelação plena na Redenção ou seja, na Paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo na ocasião da Páscoa e continuada na Vida da Igreja Católica, Apostólica, Romana, a Única Igreja fundada por Jesus Cristo.

Porém, sabemos que não basta a revelação divina para Deus ser aceite.

É preciso a aceitação humana que acolhe esta revelação e diz: "Eu creio", "eu acredito", "eu confio", "eu abandono-me a este Deus bíblico Criador e Salvador".
"Mas ter fé" não é só acreditar em Deus. Não é só acreditar na divindade de Jesus Cristo.
"Ter fé" é também deixar-se transformar pela graça divina que actua em nós pelo poder do Divino Espírito Santo.
Deixar que Deus transforme o nosso pensar, o nosso olhar, o nosso ouvir, o nosso sentir, o nosso falar, o nosso agir.
Isso permite-nos ver a realidade, os acontecimentos e as pessoas com um olhar sobrenatural, ou seja, ver tudo do ponto de vista de Deus.
VER TUDO COMO DEUS VÊ...
COM UM OLHAR DE BONDADE, DE DOÇURA...
UM OLHAR DE AMOR, DE COMPAIXÃO...
UM OLHAR DE TERNURA, DE SOLIDARIEDADE...

Pe. Albano Nogueira

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

ADVENTO







Advento tem dois aspectos: a vinda definitiva do Senhor e a preparação para o Natal, mantendo a tradição das 4 semanas.

A Igreja entendeu que não podia celebrar a
liturgia, sem levar em consideração a sua essencial dimensão escatológica - futuro.
Advento quer dizer: “VINDA” e esta vinda tem 3 dimensões:

Cristo veio (passado. Vinda histórica há 2009 anos),

Cristo vem (presente, espiritual na Palavra, na Comunhão, nos acontecimentos, nos irm ãos),

Cristo virá (futuro, Parusia, fim dos tempos...).

O tempo do advento e suas características
O tempo do Advento é para toda a Igreja, momento de forte mergulho na
liturgia e na mística cristã.
É tempo de espera e esperança, de estarmos atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda do Senhor, como uma noiva que se enfeita, se prepara para a chegada de seu noivo, seu amado.
O Advento começa às vésperas do Domingo mais próximo do dia 30 de Novembro e vai até as primeiras vésperas do Natal de Jesus contando quatro domingos.
Esse tempo possui duas características:

Nas duas primeiras semanas, a nossa expectativa se volta para a segunda vinda definitiva e gloriosa de Jesus Cristo,

Salvador e Senhor da história, no final dos tempos.
As duas últimas semanas, dos dias 17 a 24 de Dezembro, visam em especial, a preparação para a celebração do Natal, a primeira vinda de Jesus entre nós.

Por isto, o Tempo do Advento é um tempo de piedosa e alegre expectativa.

Teologia do advento
O Advento recorda a dimensão histórica da
salvação (passado),
Evidencia a dimensão escatológica do mistério cristão (futuro) e
Insere-nos no carácter
missionário da vinda de Cristo (presente).

Ao serem aprofundados os textos litúrgicos desse tempo, constata-se na história da humanidade o mistério da vinda do Senhor, Jesus, que de facto se encarna e se torna presença salvífica na história, confirmando a promessa e a aliança feita ao povo de Israel.

Deus que, ao fazer-se carne, plenifica o tempo (Gl 4,4) e torna presente o Reino de Deus(Mc 1,15).
O Advento recorda também o Deus da
Revelação.

Aquele que é, que era e que vem (Ap 1, 4-8), que está sempre realizando a salvação, mas cuja consumação se cumprirá no "dia do Senhor", no final dos tempos.
O carácter missionário do Advento se manifesta na
Igreja pelo anúncio do Reino e a sua acolhida pelo coração do homem até a manifestação gloriosa de Cristo.

As figuras de João Baptista e Maria são exemplos concretos da vida missionária de cada cristão, quer preparando o caminho do Senhor, quer levando o Cristo ao irmão para o santificar.

Não se pode esquecer que toda a humanidade e a criação vivem em clima de advento, de ansiosa espera da manifestação cada vez mais visível do Reino de Deus.
A celebração do Advento é, portanto, um meio precioso e indispensável para nos ensinar sobre o mistério da salvação e assim termos a Jesus como referência e fundamento, dispondo-nos a "perder" a vida em favor do anúncio e instalação do Reino.

Espiritualidade do advento
A liturgia do Advento nos impulsiona a reviver alguns dos
valores essenciais cristãos, como a alegria expectante e vigilante, a esperança, a pobreza, a conversão.


P. Albano Nogueira