Número total de visualizações de página

sábado, 31 de julho de 2010

TUDO É VAIDADE

Este Domingo 18º do Tempo Comum do Ano C vamos ouvir na Eucaristia:
"Vaidade das vaidades, tudo é vaidade" (Eclesiastes ou Coeleth 1,2).
------------------------------------
Procuramos a felicidade nas coisas materiais... Mas isso não basta para sermos felizes.
Procuramos a felicidade nas pessoas...
Veja-se a promessa de amor no matrimónio.
Mas as pessoas, tantas vezes, nos decepcionam e nós também as desiludimos.
Esta é uma grande verdade.
Tudo é vão, tudo passa.
Só Deus permanece...
Apegar-se demasiado a coisas materiais e pessoas é uma ilusão, pois tudo passa...
Apegar-se a Deus, pois Ele permanece.
As coisas materiais desiludem.
As pessoas desiludem-nos e nós desiludimos os outros...
Só Deus não desilude...
A fonte da vida está só em Deus
Só Deus nos pode tornar plenamente felizes.
Não tanto do jeito que nós queremos.
Mas ser felizes do jeito que Deus quer.
Aspirar às coisas do Alto, às coisas espirituais, divinas.
Não aspirar a poder, honras, riquezas, grandezas, fama, pois tudo isso é vão, ilusão, espuma do mar.
O nosso coração foi feito para Deus e só em Deus encontrará a felicidade.
Deus é Comunhão, Deus é Amor e só na comunhão e nos amor seremos felizes.
---------
Ensina-me, Senhor, esta lição, esta sabedoria,
que é dom do Espírito Santo.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

AS VERDADES DA FÉ


albanosousanogueira@sapo.pt
------
As verdades reveladas por Deus não estão em desacordo com as outras verdades adquiridas pelo trabalho da inteligência em qualquer investigação.
Mas essas verdades são mais importantes, pois relacionam-se:
- com o porquê do Homem sobre a Terra;
- com o valor da vida e de tudo quanto nos rodeia;
- com o fim para que nos encontramos sobre a Terra, sujeitos a todas as circunstâncias da nossa existência.
Não entendemos perfeitamente essas verdades?
Ficam sempre misteriosas para nós? Talvez.
E isso deve-se ao facto de a nossa inteligência ser pequenina relativamente a Deus, embora muito grande comparada com os instintos dos animais.
Mas não julguemos que, no mistério, tudo nos é inacessível, pois não é verdade. Embora a inteligência hu¬mana nunca possa igualar a Inteligência Divina, de que é simples reflexo ou imagem, essa inteligência humana, quando se debruça sobre as verdades reveladas, esclarece muitos pontos. É este o trabalho dos Teólogos, os sábios ou cientistas que estudam Deus, o que Deus nos revelou e como o revelou.

A INSPIRAÇÃO
A Revelação de Deus aos homens foi feita durante muitos anos e directamente a alguns homens ou a um Povo, o Povo de Deus.
Esta Revelação divina chegou até nós por dois caminhos:
- pela tradição escrita;
- pela tradição oral.
Tendo Deus falado a alguém, essa pessoa comunicava-o aos outros de viva voz. Esse era, antigamente, o processo normal.
Mas quando a escrita foi generalizando, houve quem escrevesse essas verdades em papiros, pergaminhos, dos quais possuímos hoje cópias nas diferentes edições da Bíblia.
Mas não podiam os autores que escreviam essas verdades falsear o pensamento divino?
Não. Trata-se de autores inspirados por Deus:
Deus assistiu aos escritores sagrados de tal forma que, reservando eles as suas qualidades e defeitos de escritores humanos, não errassem na comunicação das verdades divinas.
Esta acção divina chama-se INSPIRAÇÃO.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

DAR AS MÃOS

--
albanosousanogueira@sapo.pt
--

Estive de férias no estrangeiro- Espanha.
Não tinha acesso aos jornais portugueses.
Terça-feira comecei a receber muitos telefonemas e sms a dizerem-me que o que tinha escrito no meu blog estava a ser citado nos jornais.
Como não sabia a forma como o jornalista estava a usar os meus textos, decidi usar a internet do hotel para tirar os meus textos do blogue.
Além disso, umas frases tiradas do contexto podem ser mal interpretadas...
Foi essa a razão pela qual tirei os textos do meu blogue.
Diz a sabedoria: há tempo para falar e tempo para calar.
Eu disse o que achei que devia dizer,
mas agora chegou o tempo de me calar.
Não convém deitar mais lenha na fogueira.
A decisão está tomada, o Sr. Arcebispo Primaz de Braga não volta atrás.
É tempo de interiorzarmos todos a nomeação dos novos párocos de Fafe, colaborar com eles e todos aceitarem os novos párocos, tal como o Padre José Lopes já disse.
Depois da tempestade, tem de vir a bonança...
Todos temos a ganhar com a paz na Igreja Católica de Fafe e ajudar a dar um novo dinamismo à cidade de Fafe em comunhão e união com os novos párocos de Fafe.
É tempo de darmos as mãos aos novos párocos de Fafe...
Já discordámos, já protestámos, já dissemos ao Sr. Arcebispo a nossa revolta, agora é preciso acalmar as águas.
Precisamos de Paz na Igreja Católica de Fafe e todos temos de dar as mãos para o conseguirmos.
Deus escreve direito por linhas tortas.
O que foi um mal (a remoção do Pe. Lopes) pode ser usada por todos para o bem: dar mais dinamismo à cidade de Fafe a nível religioso...
Obrigado a todos pelo apoio que deram ao Pe. Lopes e a mim também que fui solidário com ele e fiz tudo o que dependia de mim (antes da nomeação) para dar outro rumo a esta situação, mas nada consegui...
Seria bom que as pessoas parassem com todas as manifestações contra a decisão de remover o padre Lopes de Fafe.
A partir de agora, se as manifestações de protesto continuarem, quem vai ficar prejudicado ainda mais, vai ser o Padre Lopes.
Quanto mais tempo arder a fogueira da revolta, mais as pessoas (todas) se queimam...
Espero que entendam esta minha mensagem...
Vamos todos aceitar educadamente a nova situação.
Deus seja louvado.
Que Ele nos abençoe a todos e nos ajude a viver no seu amor e no amor ao próximo.
Pe. Albano Nogueira

terça-feira, 20 de julho de 2010

DEUS É AMOR

DEUS É AMOR,
DEUS É VIDA,
DEUS É CRIADOR,
DEUS É SALVADOR
DEUS É SANTIFICADOR.
++++++++++++++++++++

SER CRISTAO CATÓLICO É CONSTRUIR COMUNHAO...
AMAR A DEUS,
AMAR AOS OUTROS,
AMAR A SI MESMO
AMAR A NATUREZA...
AMAR E PERDOAR...
QUEM AMA MUITO PERDOA MUITO...
QUEM AMA POUCO PERDOA POUCO...
TODOS TEMOS DE AMAR MUITO E PERDOAR MUITO...
JESUS CRISTO É O NOSSO MODELO DE AMOR E DE PERDAO
++++++++++++++++++++++++++++++

PE. ALBANO NOGUEIRA

sábado, 17 de julho de 2010

- ESPIRITUALIDADE (6)



O acto pelo qual acreditamos em Deus chama-se Acto de Fé.
Mas aqui já não se trata de fé humana, isto é, de acreditar nos homens.
Agora, acreditamos em Deus e nas verdades por Ele reveladas.
Tudo quanto sabemos pela fé humana o podíamos saber directamente por nosso esforço, se tivéssemos tempo, instrumentos próprios, sabedoria, etc.
Mas quando se trata das verdades divinas reveladas por Deus, o que é objecto de Fé divina, já tudo é diferente: por mais tempo que possuíssemos, por mais sábios que fôssemos, nunca lá chegaríamos.
Nesse caso, Deus tem de conceder ao homem uma nova faculdade, por assim dizer.
Deus concede-nos a Fé, uma virtude sobrenatural pela qual acreditamos em Deus e nas verdades que Ele nos revelou e as vemos relacionadas com a nossa vida.
Porque a Fé ajuda-nos a aceitar e a compreender as verdades que Deus nos revelou e a pôr em prática os seus ensinamentos.
A Fé é um dom de Deus, que devemos pedir, embora nunca o mereçamos.
Mas Deus dá-nos o dom da fé que devemos pedir cada dia.
E pela fé vemos o que se encontra para além do que a nossa inteligência descobre e nunca se opõe a ela, antes a prolonga.
A Fé prolonga os conhecimentos adquiridos pela inteligência.
Quem vive da Fé possui um conhecimento novo.
Sabe que Deus se encontra em tudo, que tudo fala de Deus, que tudo conduz a Deus. Sabe que a História, quer do Universo com os seus astros, quer do Homem sobre a Terra, se desenrola na presença de Deus e que Deus está em todas as transformações materiais ou sociais.
Não vamos entender esta presença de Deus à maneira de um pedreiro que junta as pedras de um edifício. Nem ao modo de um chefe militar a dar ordens aos exércitos. A presença de Deus é normalmente Providência:
Deus está em tudo pelas leis que tudo regem;
Deus só extraordinariamente interfere com acções especiais, denominadas milagres.
Deus é discreto, escondido e dificilmente se mostra de forma directa.
Temos de O perceber de forma indirecta, como uma pegada que aponta para quem a fez.
Não vimos quem foi, mas dizemos que alguém foi: homem ou animal…
A nossa sociedade vive em crise de Fé porque se tornou materialista, escrava do que vê, do que percebe, do que ouve e Deus não se vê, não se entende, não se ouve directamente. Por isso, se abandona a fé e a prática religiosa.
A nossa sociedade é utilitarista. Só vê as coisas e as pessoas pelo lado útil.
Rezar, praticar a religião, acreditar, não é “útil” segundo a mentalidade deste mundo… a não ser que Deus faça um “milagre”, uma “cura” e então já é “útil”…
A fé é um dom de Deus que ilumina e dá sentido á vida, mas só na medida em que a pessoa descobre esse Deus Vivo na sua vida e se relaciona com Ele na oração pessoal, individual, familiar e comunitária.
A oração é fundamental para a vida de um cristão e de um sacerdote.

terça-feira, 6 de julho de 2010

- ESPIRITUALIDADE (5)



Deus pode comunicar ao Homem algumas verdades desde que o faça de acordo com o mesmo Homem, para ele as entender.
Comunicará as verdades que achar convenientes ao Homem e quando o achar conveniente: também Deus usou o processo de comunicar lentamente o conjunto da Revelação.
Estas verdades tanto podem ter sido transmitidas a um homem isolado como a um povo.
Mas não se destinam apenas para esse homem isolado, nem para esse povo.
Um e outro são instrumentos que Deus usa para Se revelar a toda a Humanidade: à humanidade contemporânea desses homens isolados ou desse povo, assim como à humanidade que viria depois deles.
Aqueles que Deus escolheu para comunicar as suas verdades à Humanidade devem possuir sinais positivos:
Deus não ia falar através de pessoas que não possuíssem virtudes e boas qualidades.
Aqui está um sinal para se conhecer se alguém fala em nome de Deus: Pelos frutos se conhecem as árvores.
Também pelas acções se conhecem aqueles que dizem falar em nome de Deus.
Quando um professor ensina, tendo em conta o respeito pelo aluno, nunca este aluno sai diminuído.
Antes pelo contrário.
Também quando Deus ensina certas verdades, tendo em conta os legítimos direitos do Homem, nunca diminui o Homem nem o impede de desenvolver as suas qualidades naturais.
Pelo contrário: para o Homem entender bem o que Deus quis revelar-lhe, deve desenvolver mais e mais as suas qualidades humanas e estudar o meio em que tem vivido e vive.
Deus vem auxílio da pessoa dando-lhe talentos que valorizam as suas capacidades.
Talento é aquilo de bom que recebemos de Deus e que devemos desenvolver: a fé, a esperança, o amor, a bondade, a solidariedade.
É legítimo acreditar nos homens verdadeiros, embora também eles se enganem.
É mais legítimo acreditar em Deus.
Deus é a própria Verdade.
Deus não nos engana.
Deus não Se engana.