Número total de visualizações de página

quarta-feira, 6 de Abril de 2011

BARCA DE JESUS - IGREJA

.
.
Ninguém pode caminhar sozinho na vida.
Ninguém é feliz sozinho.
Ninguém se salva sozinho.
Somos seres sociais e sociáveis.
Vivemos em grupo.
Precisamos uns dos outros, tanto na sociedade como na vida religiosa.
A fé cristã é pessoal, pois é cada um que acredita por si mesmo, mas a fé cristã tem sempre uma dimensão COMUNITÁRIA.
A fé cristã nunca é isolada, individualista.
Cada um recebe a fé de uma comunidade (família, Igreja, grupo) e precisa de alimentar essa mesma fé em grupo, em comunidade (família, Igreja, grupo cristão).
Está a falhar em muitas pessoas a dimensão comunitária da fé e alguns só se lembram da sua Igreja em momentos raros: baptismo, comunhão, casamento, funeral...
Isso é uma visão errada da fé cristã. 
A barca de Jesus é uma imagem para falar da Igreja fundada por Jesus Cristo que nos transporta seguros nesta vida e para a outra margem- a vida eterna.
Ora a barca leva muita gente, assim, a fé reune muitas pessoas e é em grupo que devemos viver a nossa fé.
É a dimensão celebrativa que existe na Igreja Católica, especialmente, na Eucaristia Dominical ou na Véspera (sábado).
A fé cristã implica acreditar, saber, celebrar e orar.
Igreja significa Assembleia reunida, Povo de Deus reunido. Para se ser Igreja, é preciso reunir-se e unir-se aos outros.
Quem falta à Igreja, à reunião, à Eucaristia aos Domingos e dias Santos, fica com a dívida para com Deus a quem rejeita nesse dia e nessa hora; dívida porque não dá a Deus o que é de Deus.
A hora da Eucaristia não é nossa, é de Deus.
Por isso, quem falta à Eucaristia ao Sábado ou Domingo, fica mais pobre e empobrece a Igreja pela sua ausência e fica com a dívida para com Deus, fica mais imperfeito, incompleto.
Um dia será julgado por essas faltas de amor a Deus.
Ir à missa è um acto de amor a Deus, a Jesus Cristo, ao Espírito Santo. Faltar à missa é uma falta de amor a Deus...
Pecar é precisamente isso: faltas de amor a Deus, aos outros e a si mesmo...
O píncaro da grandeza específica do Homem é ser uma pessoa humana que se comunica com um Deus pessoal.
Não há maior mutilação da pessoa humana do que a ruína dessa comunhão com Deus.

Nada mais nobre do que o Homem como Deus quer que ele seja, na plenitude da sua natureza sem par e da sua missão sublime.
Feito à Imagem e semelhança de Deus, feito para Deus, o Homem é o colaborador e o continuador de Deus na obra divina na criação, procurando as perfeições específicas de todos os seres, servindo ao Homem e glorificando ao Criador.

Sem comentários: