Número total de visualizações de página

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

OLHAR A QUARESMA POR DENTRO

Consulte o meu outro blog:

http://operfumededeus.blogspot.com
albanosousanogueira@sapo.pt

A sociedade de hoje e muitos cristãos católicos não conseguem ver por dentro as orientações da Igreja Católica e só conseguem ver por fora certos ensinamentos e práticas religiosas porque vivemos numa sociedade muito superficial e banal.
É uma visão e um entendimento muito pobre de quem não consegue passar do exterior, do visível, para o interior das coisas e das pessoas.
“É por dentro que as coisas e as pessoas são o que são”.
Esta introdução vem a propósito do tempo litúrgico da quaresma que se inicia nesta quarta feira de cinzas: “lembra-te Homem que és pó da terra e ao pó da terra hás-de voltar…”.
As cinzas são um símbolo visível que apontam para outra realidade mais profunda: o Homem é caduco, passageiro, mortal. Não é Deus, não é imortal, não poder de dizer tudo, não pode fazer tudo, não pode experimentar tudo. Há coisas que pode, mas não deve fazer...
Há limites porque o ser humano é limitado.
Hoje muita gente não admite limites ao ser humano, pensa que tudo se pode experimentar, tudo se pode fazer, tudo se pode pensar… Muita gente admite que o Homem é como Deus, todo-poderoso, que tem direito a fazer todas as leis que quiser, seguir todos os comportamentos que quiser, a experimentar tudo o que quiser, sem limites. Muitos dizem: Não há limites. Tudo é permitido, vale tudo… Todos os meios servem para se atingirem os fins…
Quem falar em limites do ser humano, é criticado, mal interpretado, rejeitado, rotulado de antiquado, conservador, ultrapassado, retrógrado, etc… (veja-se agora a lei que querem fazer permitindo o casamento entre pessoas do mesmo sexo...).
Esta ideia de não haver limites ao ser humano tem trazido muitas desgraças para a humanidade.
As cinzas são um símbolo de que o homem é mortal e apontam para Alguém que é Imortal, Infinito, Eterno – Deus.
Quarta-feira de cinzas. Dia de jejum e abstinência. Jejum consiste em tomar uma refeição principal e na outra tomar algo de muito ligeiro. A abstinência na tradição da Igreja consiste em não comer carne na quarta-feira de cinzas e nas sextas-feiras da quaresma. O jejum e a abstinência são um símbolo visível que aponta para outra realidade invisível: domínio de si mesmo, domínio dos apetites, dos desejos, domínio das tentações, domínio de excessos e vícios…
A saúde começa na boca...
A minha opinião é que os católicos devem conservar esta tradição de não comer carne na quarta-feira de cinzas e nas sextas-feiras da quaresma, embora haja outras formas de se fazer abstinência.
Uma pessoa, nas sextas-feiras da quaresma, pode, por exemplo, não beber bebidas alcoólicas, não fumar, reduzir o tempo dado à TV, não tomar café, diminuir uso e dependência do telemóvel, ler bons livros, ler a Bíblia, rezar mais, visitar doentes, idosos, fazer voluntariado, etc.
Outras pessoas podem abster-se do palavrão, da crítica, da murmuração, da mentira, das injustiças, de outros pecados.
Não se trata apenas de não comer carne, mas de dominar o mal que há em nós…
O que se trata é de DOMINAR-SE, não ser escravo da boca, da barriga, dos apetites, dos desejos, das coisas que usamos no dia-a-dia. A razão de ser destas práticas penitenciais da quaresma pretendem levar a pessoa a dominar-se, a controlar-se, a não ser escravo da boca, nem da barriga, das coisas, mas ser senhor das coisas…
Cortar o mal, como se podam as videiras e deixar ficar apenas o bem em nós.
Estas práticas pretendem ajudar os católicos a fazerem um esforço de se dominarem, de se aperfeiçoarem, de serem mais livres, de serem mais perfeitos, mais santos, para chegarem ao dia de Páscoa (passagem) tendo feito esta passagem do mal para o bem.

Pe. Albano Nogueira

Sem comentários: