Número total de visualizações de página

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

REENCONTRAR DEUS, ESSE DESCONHECIDO

René Laurentin, A Igreja do Futuro, ed Paulistas, Lisboa, 1991.

Hoje assiste-se a um certo vazio de Deus e quando se fala em Deus, fala de um Deus distorcido e deturpado pelo desconhecimento e ignorância.
Os cristãos deveriam ser ensinados a OLHAREM O MUNDO COM O OLHAR DE DEUS, que é bem diferente do homem entregue a si mesmo. Só Deus nos concede a graça de contemplar a VERDADE segundo a Sua luz que é Amor.
Na verdade, tudo vem do Amor (Deus) e tudo se encaminha para o Amor (Deus): Amor do Criador (Deus Pai), amor do Salvador (Deus Filho – Jesus Cristo) que deu a Sua vida pelos seus amigos.
Que faremos nós deste amor? É a questão que Deus nos põe.
Um cristão tem de saber olhar o mundo (e as pessoas) como Deus o olha, mas, para isso, tem de saber olhar para Deus, na Sua relação connosco, com o mundo que Ele criou.
Porém, tudo isto é muito estranho ao nosso mundo e à nossa cultura, mas é algo de muito essencial: olhar o mundo com o olhar de Deus e olhar Deus, na sua relação connosco.
Deus não é um mito, uma abstracção, uma energia.
Ele é uma FORÇA, Ele é uma FONTE. Ele é ALGUÉM.
Ele está mais próximo de nós do que nós pensamos.
Ao reencontrá-l’O como Princípio (Origem) e Termo (Meta) de todas as coisas, nós alargamos a nossa perspectiva mesquinha até ao mais longínquo passado e até ao mais longínquo futuro para o qual Deus nos chamou.

O importante não é apenas ver e dizer (julgar) que o mundo está mal e que se afastou de Deus. O importante não é só fazer o diagnóstico e dizer que uma pessoa está doente com tal doença. Isso é importante, mas depois deve-se fazer todo o possível para se curar e salvar o doente.
O mesmo se diga do Homem de hoje que precisa de Cura e de Salvação.

1- O homem, resposta para tudo?
A mentalidade moderna é que o homem tem e é resposta para tudo.
Só o homem, diz a época moderna, libertado pela “morte de Deus”.
São os humanismos que já vêm do tempo da Renascença – séc. XIV-XVI. Deu-se um regresso ao paganismo. Colocou o homem no centro do mundo (antropocentrismo) e não já Deus (teocentrismo).
Depois vem o séc. XVII e XVIII com novos filósofos que instalou a dúvida metódica, com o século das luzes, onde a Enciclopédia proclamou um novo saber universal que desembocou em violências irracionais, como a Revolução Francesa que proclamou os direitos do Homem, mas massacrou, sem escrúpulos, muitas vezes sem julgamento, os homens que pareciam incómodos a esta causa.
O século XIX é outra etapa na tentativa da “morte de Deus” com o marxismo. Com a ideia da libertação de Deus e da religião a revolução marxista trouxe, perseguições, prisões e morte aos milhões.
O homem moderno encerrou-se num humanismo fechado. Libertou-se de Deus e tentou encontrar em si mesmo a resposta aos seus problemas. O homem passou a adorar-se a si mesmo.
(continua)

Sem comentários: