Número total de visualizações de página

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

MISTÉRIO DE DEUS – 10

+
Sobe do destino uma sede de Ti, ó Deus”.

Humanismo e humildade
.
Ao querer recriar o homem de modo diferente do que ele foi criado, não se cria nem o equilíbrio, nem a felicidade.
Caricatura-se, desintegra-se.
Ao querer refazer a sociedade segundo modelos demasiado novos, esquecidos da natureza, criam-se sociedades aterradoras onde explode a violência, a insegurança (assaltos, roubos), o medo, a destruição, a morte.
Destruição da natureza e da humanidade.
Protege-se o direito de certas árvores, certos animais e de certas aves a reproduzirem-se, mas nega-se o direito a milhões de seres humanos o direito a nascer que têm o seu ninho no seio da mãe.
Este endeusamento da liberdade humana fez nascer morais aventureiras, sem ordem nem objectividade que aumentam a escravidão e a exploração humana em vez de a diminuírem ou abolir.
A revelação cristã implica a natureza humana.
Esta é ambígua porque aberta a Deus, mas enraizada na natureza animal e destinada a Deus.
O cristianismo atribui grande importância à humildade.
Humildade é a verdade, é lucidez; não é humilhação, nem degradação.
O homem apenas será feliz se reconhecer a sua condição em verdade: ele não é Deus, mas criatura limitada e pecadora.
Humildade vem de húmus, terra.
Um humano é um terreno.
O homem é terrestre, carnal, mas animado com um sopro divino, a sua alma, a sua respiração.
A humildade aceita a humilde condição humana, com um duplo reconhecimento para com o Criador e para com os pais, especialmente com a mãe que teve mais trabalho em o modelar física, afectiva e psicologicamente.
A humildade aceita a caminhada que vai da infância até à velhice e vive cada idade da melhor maneira, preparando-se para viver e morrer dignamente, olhando para a morte como a porta do novo nascimento para o Qual Deus nos chama.
A morte é dura pelo tempo da agonia, pelo sofrimento, pelo desconhecido; mas deve ser sempre encarada como entrega a Deus.

Modo humano de Deus se revelar
A revelação não é um ensinamento abstracto acerca de Deus.
Ela é a revelação de Deus feito homem, que convida o homem a partilhar da Sua divindade: é uma antropologia divina.
A revelação implica UM ENSINAMENTO SOBRE A CONDUTA HUMANA assim compreendida.
O amor de Deus não pode crescer senão na ordem da natureza humana, completada por uma cultura que tem também as suas leis orgânicas: leis da comunicação com os outros e com Deus, segundo uma ordem transcendente.

Pe. Albano Nogueria

Sem comentários: