Número total de visualizações de página

sábado, 16 de maio de 2009

IMAGENS DE DEUS (II)

2. O DEUS FRACO QUE PRECISA DE SER DEFENDIDO

albanosousanogueira@sapo.pt
http://operfumededeus.blogspot.com

Às vezes Deus aparece-nos sem força, sem poder e então nós sentimos necessidade de defender Deus contra os que estão fora da Igreja.
Porém, nós sabemos que neste mundo, a fraqueza de Deus é a sua força e que a loucura de Deus neste mundo é a sua sabedoria.
Deus parece que nunca intervém no mundo, que se ausentou, foi viajar, nos deixou sozinhos. Então, nós sentimo-nos na obrigação de defender o Deus que parece ausente.
Deus não precisa de ser defendido por nós. Quando o fazemos podemos correr o risco de nos estarmos a defender a nós mesmos.
Isto acontece quando nós criticamos alguma pessoa por não rezar, por não praticar a sua religião, criticamos a sua falta de fé, vemos esse defeito dos outros, mas não vemos que, se calhar, nós temos defeitos maiores, tal como o egoísmo e não o vemos.
Jesus disse-nos que Deus não precisa de ser defendido, mas sim a pessoa humana. Essa é que precisa de ser defendida. A verdadeira defesa de Deus é a defesa do homem, obra de Deus, dom de Deus, filho amado de Deus.
Em vez de nos preocuparmos em defender Deus contra os que não têm fé, nós devemos comportamo-nos como quem tem uma fé autêntica que renova e converte a pessoa. Devemos defender o mundo como mundo de Deus para que nele se desenvolva o Reino de Deus.


3. IMPOR DEUS


Deus não é apenas uma Verdade, uma realidade exterior a nós. Deus é também acolhimento dessa Verdade e dessa realidade no nosso interior pela acção do Espírito Santo. Claro que Deus é maior do que nós, mas o E.Santo ajuda-nos a receber J.Cristo em nós como o Senhor crucificado e ressuscitado.
A verdade de Deus não se pode impor pela força, mas impõe-se por ela mesma. Deus é a Suprema Liberdade. Logo não se pode impor a liberdade tirando essa mesma liberdade.
É o Espírito Santo que trabalha o coração das pessoas para elas aceitarem Deus, saborearem a verdade de Deus e o Seu Amor. Essa acção do E.Santo é um gozo consolador para que a aceita.
Então, o que é preciso é rezar ao E.Santo para que a verdade de Deus não fique reduzida a uma verdade exterior, mas seja aceite pela pessoa na liberdade, na livre aceitação de Verdade que é Deus.
Deus não se pode impor pela força. Deve-se ensinar a verdade, a doutrina recta, mas respeitando a decisão de cada um. O crente é que deve sentir a responsabilidade de viver de tal modo a sua fé que ela seja um exemplo de paz, de bondade, de alegria, de amizade de forma a que outros tenham gosto em partilhar a sua fé.
É preciso pensar de forma correcta no sentido de se dar glória a Deus, mas também no sentido de ajudar as pessoas a viverem uma vida feliz ajudando-as nas nuas dificuldades.
Não basta o culto exterior a Deus, ou confessar o nome e a fé em Deus por palavras. É preciso viver Deus, acreditar em Deus e isso tem de levar ao compromisso com as outras pessoas, sobretudo os mais necessitados.

Sem comentários: